Faça uma busca no site:

freelas 2.png

Participe do nosso grupo no Telegram

  • Redação GestordeMarketing

Restaurantes Virtuais: A nova tendência de negócios

Está pensando em começar um negócio com baixo investimento? A nova tendência são os "Restaurantes Virtuais"


Receber comida em casa através do "Delivery" não é uma novidade, mas sempre foi um negócio voltado apenas para restaurantes e lanchonetes já estabelecidos e conhecidos pelo seu público, mas com o crescimento dos aplicativos de Delivery, surgiu no mercado uma nova modalidade de negócios: os Restaurantes Virtuais.


Sem espaço para atendimento presencial, criados apenas para atender a demanda de aplicativos, e muitas vezes com um único chef responsável por várias marcas, os restaurantes virtuais são a nova tendência do mercado digital. 

Cada vez mais populares em todo o mundo, aplicativos de entrega de comida como Uber Eats, DoorDash e Grubhub começam a transformar o setor de restaurantes nos Estados Unidos, que hoje equivale a US$ 863 bilhões. No Brasil, aplicativos como Hellofood, iFood, PedidosJá, RestauranteWeb Delivery, Disk Cook, OnePizza, Uber Eats, Rappi, Loggi e Apptite se multiplicam e geram oportunidades para empreendedores que que querem aproveitar esse mercado mas não tem condições ou não desejam montar um restaurante presencial que gera muitos custos operacionais.


Encomendar comida para receber em casa ou no trabalho torna-se cada vez mais parte da cultura nas grandes e médias cidades, e a medida que os serviços de entrega se tornam mais ágeis, isso facilita que um empreendedor opere seu próprio restaurante virtual com uma estrutura reduzida e algumas vezes até mesmo em sua própria casa, e assim, até mesmo concorrer com grandes franquias.


O QUE É PRECISO PARA MONTAR SEU RESTAURANTE VIRTUAL?

Os novos empreendedores não precisam mais alugar espaço com mesas e cadeiras para seu restaurante. Tudo o que precisam é de uma cozinha e conhecimentos na preparação dos alimentos. Segundo o consultor em Marketing Digital Olimpio Araujo Junior, entrevistado pela nossa redação, alguns passos são importantes para quem quer iniciar nesse mercado.

Passo 1 - Segundo Olimpio, em primeiro lugar é preciso ter um bom cardápio, mas não exagerar na variedade. Os restaurantes de maior sucesso atualmente dentro e fora de aplicativos são focados em um estilo de culinária ou até mesmo um único tipo de produto. Exemplo disse são restaurantes focados em comida árabe, comida japonesa, comida italiana, pizzarias, hamburguerias, pastelarias, entre outros.


"Focar em um tipo específico de comida não restringe sua atuação, pois na mesma cozinha você pode fazer vários tipos de comida, e no aplicativo pode criar quantas marcas quiser. O usuário vai procurar pelo estilo de comida que deseja, e isso aumenta suas chances de atingir o cliente certo." explica o consultor.


Passo 2 - Também é primordial que o "Chef" responsável pela preparação esteja capacitado para isso. Cursos de culinária podem ajudar a melhorar a qualidade do produto e até a variedade.


Manter um padrão é outro requisito importante, assim como garantir a higiene e a qualidade dos alimentos. Lembre-se que mesmo sendo um restaurante virtual, se o alimento causar algum problema para quem consumir, você será responsável por isso.

Passo 3 - Para regularizar seu empreendimento, não precisam montar uma empresa logo de início, o que geraria mais custos. Cozinheiros que trabalham de forma individual podem optar pelo formato de Microempreendedor Individual (MEI), e assim podem emitir notas fiscais tanto para pessoa física quanto para pessoa jurídica, ampliando assim a quantidade de possíveis clientes. Outra vantagem aparece na hora dos gastos. Para o Microempreendedor Individual, os gastos com impostos é de aproximadamente R$53 mensais, que variam conforme o setor de atuação do empreendedor (serviços, comércio ou indústria). Cozinheiros "MEIs" podem exercer atividades voltadas para a preparação de refeições ou pratos cozidos, inclusive congelados, entregues ou servidos em domicílio.


Passo 4 - O próximo passo é abrir uma empresa dentro de um aplicativo escolhido para venda e entrega de comida, e então promover seu produto para os clientes do aplicativo. Os clientes que encomendam comida por aplicativo não têm a mínima idéia de que o restaurante não existe fisicamente, então é importante o conteúdo de seu anúncio. Texto, cardápio, detalhes sobre a qualidade e a preocupação com o atendimento, imagens de qualidade, identidade visual (Logo), entre outros fatores são essenciais para conquistar um cliente.


Passo 5 - Olimpio também explica que não basta estar presente no aplicativo, o restaurante virtual precisa cuidar do seu marketing digital, coisa que o próprio "Chef" e proprietário do restaurante pode fazer através das redes sociais, anúncios patrocinados, mecanismos de busca como o Google e até mesmo criando um site próprio onde pode receber pedidos sem intermédio dos aplicativos. Para isso, assim como a capacitação em culinária é importante, o empreendedor também precisa fazer um bom curso de marketing digital que o prepare para isso tudo.


Passo 5 - Por fim, Olimpio explica que um cuidado essencial é o bom atendimento em qualquer situação. Qualquer crise gerada com clientes insatisfeitos precisa ser resolvida com muito tato, pois pode viralizar e acabar com um empreendimento que poderia ser próspero.


"Nem sempre o cliente te a razão, mas comprar briga com um cliente insatisfeito apenas para provar que está certo ou por pura vaidade pode custar caro. Por outro lado, resolver com criatividade e tato o problema de um cliente pode fazer o efeito contrário e viralizar positvamente gerando valor para a marca e para o empreendimento", afirma o consultor que já orientou mais de 30mil alunos e prestou consultoria para dezenas de empresas.


UM CHEF QUE GERENCIA 4 RESTAURANTES VIRTUAIS

Em uma matéria do Estadão publicada recentemente, conhecemos o Ricky Lopez, Chef e proprietário do Top Round Roast Beef, em São Francisco, Califórnia. Durante quase toda a semana, Lopez empilha uma dezena de sanduíches de carne com fritas para serem enviados para clientes famintos. Ele também prepara coxinhas de frango para outro restaurante de sua propriedade, o Red Ribbon Fried Chickens. E produz hambúrgueres de carne grelhados para um terceiro, o TR Burgers and Wings. E ainda prepara sorvete de creme para uma confeitaria.


Lopes não é um grande empreendedor do ramo de restaurantes ao contrário do que se possa imaginar. Das quatro operações, três são “restaurantes virtuais”, sem nenhuma loja física, com mesas e cadeiras. Existem somente dentro de um aplicativo, o Uber Eats, serviço de delivery de comida do Uber. “O serviço de delivery representava um quarto dos meus negócios, mas hoje chega a 75%", disse Lopez, 26 anos.


Leia Também:

- Ideias para começar empreender com R$ 500 ou menos

- Como ganhar dinheiro fazendo os outros ganharem dinheiro



483 visualizações

Assine nosso canal no Youtube!

Banner Manual de Consultoria.png
banner the digital marketing book.png